top of page

Carroceria, equipamento e temperatura: os cuidados no transporte de sorvetes


Uma pesquisa da consultoria Kantar apontou que, no Brasil, três sabores de sorvete dominam a preferência do público: napolitano, flocos e creme. O que eles têm em comum? O fato de que dependem da agilidade, da assertividade e do bom desempenho da cadeia do frio para que cheguem até o consumidor final na temperatura certa. E esse é apenas um dos desafios envolvidos no transporte de sorvetes! Isso porque ele é um dos produtos mais sensíveis e complexos quando o assunto é a logística de distribuição. Itens como carroceria do caminhão, equipamento de refrigeração e monitoramento da temperatura exigem atenção redobrada em todas as etapas do processo, tudo para evitar que o sorvete mude de textura e de sabor ao derreter durante o transporte. E todo esse cuidado é justificado, visto que, durante o transporte de sorvetes, a temperatura limite fica na casa dos -18° C. Nesse contexto, qualquer alteração pode causar danos irreversíveis ao produto. Além disso, nem todos os equipamentos de refrigeração conseguem trabalhar com temperaturas tão baixas, e é aqui que o desafio começa!


Cuidados com o transporte de sorvetes

Para garantir a qualidade do sorvete, alguns critérios devem ser obedecidos, sobretudo na fase de distribuição, a mais crítica de todo o processo. O veículo, por exemplo, deve operar em condições adequadas em 100% do período de utilização. Isso depende de uma série de fatores, como um calendário regrado de degelo — que deve acontecer pelo menos uma vez a cada 15 dias — e um isolamento térmico de, no mínimo, 100 milímetros de espessura em todo o baú refrigerado. Ter cuidado na escolha do método de refrigeração também é fundamental na hora de garantir o sucesso do transporte de sorvetes. No Brasil, a aplicação de placas eutéticas no baú refrigerado ainda é um método bastante popular. O problema é que esse tipo de instalação é pesada, comprometendo uma porcentagem da capacidade de carga do caminhão. Sem contar que ele também exige longos períodos de carregamento via rede elétrica. Do outro lado da moeda, os equipamentos de refrigeração oferecem autonomia de trabalho e manutenção simplificada, contribuindo para o ganho de tempo operacional. É o caso do Apollo 3500, da Frigo King

, um equipamento robusto, durável e capaz de manter a temperatura do baú nos índices ideais para evitar tanto o descongelamento quanto a vitrificação do sorvete! Independentemente do método escolhido, contudo, é indispensável que as revisões estejam em dia! Lembrando ainda que verificações devem feitas pelo menos uma vez por semana para ter a certeza de que o veículo esteja sempre em condições ideais para realizar o transporte de sorvetes.\r\n

Dicas valiosas para garantir a segurança da operação

Você já viu que, em termos técnicos, esse tipo de carga refrigerada exige uma série de ações de manutenção e de prevenção para viabilizar uma logística de qualidade em todas as etapas da cadeia do frio.


. Mas vale lembrar também que essa cadeia não se limita apenas aos equipamentos e ao baú refrigerado: existem outras etapas que exigem igual atenção, e separamos algumas delas aqui. Confira:


• De olho na temperatura da câmara fria

Como já falamos anteriormente, o ideal é que o sorvete mantenha a temperatura de -18º C. Nesse sentido, o mais indicado é que a temperatura da câmara fria esteja abaixo de -22° C, garantindo que o sorvete tenha uma diferença de pelo menos 4° C para o limite aceitável do produto.


• Cuidado com o carregamento dos caminhões

Tenha em mente que o carregamento deve ser feito o mais rapidamente possível e, pelo menos, seis horas antes da saída dos caminhões, que só deve acontecer quando o baú refrigerado estiver na temperatura de setup para o transporte de sorvetes.


• Atenção com o local de entrega

Como citamos, a entrega é, definitivamente, a fase mais crítica do transporte de sorvetes, já que acontece fora das dependências da empresa. Nesse caso, cabe ao entregador se adequar à situação de cada cliente, verificando, entre outras coisas, se a temperatura da conservadora no ponto de venda está adequada para receber os produtos. Colocando essas dicas em prática e conhecendo melhor os desafios envolvidos no preparo do caminhão para o transporte de sorvetes, sua rotina logística pode ficar ainda mais otimizada e segura, garantindo uma clientela satisfeita e evitando prejuízos! Ah, e se você ficou com alguma dúvida ou quer conhecer nossas soluções para o transporte de perecíveis, entre em contato com a nossa equipe ou deixe seu comentário aqui no blog!

Comments


bottom of page